Xterra Global Tour Manaus – 3 Lugar! (fotos em breve)

13 06 2011

Pela primeira vez em Manaus foi realizada a etapa mundial do Xterra, classificatória para o Hawaii. Triatletas de vários estados brasileiros assim como estrangeiros marcaram presença nessa dura etapa. Dura principalmente pelo clima cruel da região, que é extremamente quente e úmido.

Eu recém fechei uma parceria com a marca Xterra Gear, assim garantindo a minha presença em todas as etapas. O triathlon é uma modalidade relativamente nova para mim porque, embora já tenha feito, tem muito tempo que não faço. Esse ano participei de duas etapas e segui treinando firme para a terceira e mais importante.

Eu sabia que a prova seria dura e por isso me mantive focada treinando. As adversárias são muito fortes também e eu sabia que a disputa não seria fácil. Mesmo assim levantei a cabeça e fui lutar com unhas e dentes.

Treinei muita natação, meu ponto mais fraco. Eu nunca fui boa nadadora e, tendo ficado afastada muito tempo, a dificuldade aumentou. A bike é a modalidade que tenho mais facilidade, principalmente no mountain bike, e a corrida eu venho buscando melhorar também. A parte mais difícil agora é fazer tudo na sequência. Essa brincadeira de ser triatleta não é mole não, mas eu assumi esse desafio e sigo treinando para evoluir.

Quando desembarquei em Manaus s expectativas foram confirmadas no momento em que a porta do avião se abriu. O calor e umidade eram insuportáveis! Cheguei na madrugada de quinta para sexta e fui para um hotel para dormir uma boa noite de sono antes de ir para a selva.

Na sexta arrumei minha bike, entreguei no caminhão do exército no CIGS e segui para um almoço no centro. De lá a aventura começou! Briefing recepcionado por uma onça e logo depois partimos num ônibus, seguido por uma voadeira (barquinho à motor) rumo à unidade Munduruku, numa base do exército em plena selva amazônica. Quando chegamos lá já era noite e fomos direto para um curso de sobrevivência na selva. Aprendemos uma série de técnicas, incluindo diversas formas de fazer fogo, e provamos diversas frutas da região. Depois de lá seguimos para o refeitório para abastecer o organismo de carboidrato e fomos dormir.

O nosso “quarto” era uma pequena área no meio das árvores. Nossas camas eram redes. Eu não tinha levado nada então improvisei um pequeno travesseiro. Enchi uma camisa com roupas e dei um nó, como aprendi no “survivor” do Discovery Channel. Sorte que eu tinha uma toalha porque na noite fez um frio danado. Eu pendurei minha mala numa árvore porque fomos orientados a não deixar nada no chão.

No meio da noite acordei para ir ao banheiro. Quando levantei vi alguns soldados fazendo ronda, armados em posição de ataque. Foi muito louco! Ali pude ter a real sensação de onde eu estava.

Às 5:15 da manhã escutei as cornetas tocarem. Em seguida o apito com um silvo longo e um curto, que significava: Levantem-se já!!!

Quando levantei vi que os atletas estavam chegando e formando fila na entrada da área de transição. Peguei minha mala na árvore para começar a arrumar as minhas coisas e me deparei com um pequeno problema. As formigas tinham invadido a minha mala e estavam fazendo a festa no meu Hammer Gel (elas aprovaram!). Pior é que tinha formiga em tudo quanto é lugar. Foi um desespero. Elas começaram a me picar freneticamente e eu já com a mão inchada tentando me trocar.

Fui em direção ao refeitório, tomei café e segui para a área de transição para arrumar minhas coisas. Depois disso já estava pronta e fiquei na beira do rio esperando a liberação para aquecimento na água.

Entrei no rio para aquecer até a primeira bóia. A temperatura estava uma delícia, mas a água era tão escura que eu não conseguia ver a minha própria mão a cada braçada. Em seguida já começaram a chamar os atletas para fazer a reza do guerreiro da selva, momento emocionante onde todos repetiram em voz alta as palavras do comandante.

Alinhamos debaixo do pórtico de largada, que era praticamente um funil. Olhei para trás e vi uma quantidade enorme de gente. Me deu um frio na barriga pensar que ia ser pisoteada. E não tinha jeito de entrar na água devagar porque tinha que se jogar. Confesso que esse momento ainda me dá muito medo.

Ao som de uma forte explosão foi dada a largada ao Xterra Global Tour etapa de Manaus 2011. Um forte pelotão saiu nadando nas águas escuras, espantando as piranhas do rio. Até a primeira bóia foi como um tiro, um desespero. Não dava para desviar porque não dava para ver nada. Eu percebi que estava nadando torto e tive que consertar meu trajeto para não perder mais tempo. Comecei a tirar a cabeça da água com mais freqüência para não sair do pelotão. A cada braçada eu via a Sabrina do meu lado. Nossa disputa já começou ali!

Saí da água junto com ela e corremos para a transição. Dali também saímos juntas para o pedal. Eu estava cansada do esforço que fiz na natação mas comecei a pedalar forte para tentar ganhar posições. O pedal se alternava entre estradão e trilha. Não tinha muito desnível, mas era um sobe e desce interminável. Na parte das trilhas tinha muita curvinha de um lado para o outro. O solo era coberto por uma folhagem que escondia pequenas armadilhas, como tocos de árvore, raízes e buracos. Ali peguei um pouco de congestionamento e não tinha muitos pontos de ultrapassagem. Eu e a Sabrina continuamos a disputa, ultrapassando e sendo ultrapassadas o tempo todo. Quando voltamos ao estradão a prova ficou ainda mais emocionante. Num certo momento estávamos emparelhadas: Carlinha, Luzia, Sabrina e eu. Numa subida mais inclinada eu e a Sabrina conseguimos nos desgarrar e seguimos em ritmo forte. E foi assim até chegarmos ao final dos 30km, entrando na área de transição.

Eu não tinha conseguido me alimentar nem me hidratar direito por conta da disputa e senti isso forte quando desci da bike. Fiz a transição um pouco lenta e saí para correr com a Sabrina na minha cola. Entramos na trilha e o calor estava muito forte. Eu estava na frente ela estava respirando no meu pescoço, colocando pressão. Eu estava desidratada e cansada e senti que ia ser muito duro encarar os 9km pela frente. Num certo momento chegamos num igarapé e ao invés de atravessar andando eu me joguei de peito.

Eu senti refrescar e atravessei devagar para tentar recuperar. Nessa hora a Sabrina passou e seguiu forte. Eu não tive condições de acompanhar porque já estava vendo estrela de tanto calor. Comecei a andar um pouco nas subidas, tentando recuperar. Comecei a me preocupar porque sabia que as outras meninas viriam num ritmo forte atrás. Num certo momento fui ultrapassada por um amigo, o Márcio, que me incentivou a manter o ritmo para não perder a colocação. Depois disso fui me hidratando e me sentindo melhor e consegui melhorar meu ritmo. Quando cheguei de volta no estradão eu já estava bem recuperada e foi ali que encaixei a melhor corrida. Era um sobe e desce constante e quando eu começava a descer via a Sabrina no final da outra subida. Não dava para alcançar, mas nem por isso desanimei. Sabia que precisava continuar enérgica para não ser alcançada. As placas das distancias foram passando e quando me dei conta já estava nos metros finais. Nessa hora olhei para trás e vi que nenhuma menina chegava. Me deu um alivio saber que eu tinha conseguido sobreviver àquele percurso dentro da mata. Cruzei a linha de chegada em terceiro lugar com 3:20, exausta, mas muito satisfeita e feliz. Foi uma disputa e tanto.

Agora se vocês querem saber da gringa que ganhou a prova, eu continuo querendo saber também! Ela fez uma prova solo, um espetáculo à parte, nos seus 40kgs de peso (se muito!). Ela está realmente de parabéns pelo seu merecido primeiro lugar.

Gostaria de parabenizar a Sabrina pelo segundo lugar, Luzia pelo quarto lugar, Carlinha pelo quinto lugar, Daniela pelo sexto lugar e Liege pelo sétimo lugar. Parabéns à todos os atletas que lá estiveram e lutaram bravamente para conquistar a prova. Somos todos guerreiros, merecedores do titulo de survivor!

Anúncios

Ações

Information

10 responses

13 06 2011
xampa

Muito legal !!! Parabens pelo resultado.
Eu fico imaginando o que seja pedalar e se alimentar em uma mtb.

13 06 2011
manuvilaseca

Obrigada Xampa!

Foi duro mas sobrevivi =)

13 06 2011
Érli Lima

Parabens Manu, estava la e vi q nao foi facil fazer essa prova. Ainda mais na pressao a prova inteira. Parabens pela colocacao.
Bjo
Érli

13 06 2011
manuvilaseca

Obrigada Erli!

Foi dureza né!??? Mas valeu demais!

Parabéns p/ vc tb!

Bjos

14 06 2011
Rosemary França Gonz

NOOSSAA!!!! PARABÉNS PELA CONQUISTA DO TERCEIRO LENDO SEU RELATO PARA NÓS É COMO SE FOSSE PRIMEIRA COLOCADA PARABÉNS MESMO PELO FOCO GARRA E DETERMINAÇÃO. ADORAMOS O RELATO DESCREVEU MUITISSIMO BEM DETALHES… E AS FORMIGAS ADORARAM SEU HAMMER GEL KKK…AGORA A FOTO DA LARGADA E A SENSAÇÃO QUE NOS DESCREVEU ACHO QUE É INDISCRITIVEL SÓ DE VER A FOTO TIVE MEDO DE ESTAR LÁ NO MEIO. PARABÉNS MESMO DEUS TE ABENÇOE SEMPRE EM TUDO OS QUE FAZES POIS SABEMOS QUE É COM ALMA E CORAÇÃO NA MESMA CADÊNCIA QUE VAI ENCARAR ESSAS PROVAS E É POR ISSO QUE É VITORIOSA SEMPRE. MUITA SAÚDE, SORTE, SUCESSO SEMPRE. FORTE ABRAÇO DE QUEM TE ADMIRA BEIJUS CASAL 20 ROSE E CIDO OS BIKERS.

14 06 2011
manuvilaseca

Obrigada pela força sempre, Casal! 🙂

Grande beijo

14 06 2011
mt xc biker

Parabéns pela prova !!!

15 06 2011
manuvilaseca

Obrigada!

16 06 2011
Lucia

ótimo texto Manu!!! Parabéns pela colocação!

SELVA!

17 06 2011
manuvilaseca

Obrigada pela força, Lucia!

Agradeço a você e toda equipe Xterra/X3M. A prova foi sensacional e o unifome ficou show! Estou adorando as roupas Xterra Gear =)

SELVAAAAA!!!!

Bjos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: