Campeonato Brasileiro de XCO – Campo Largo, PR

19 07 2010

A prova mais importante de xco no Brasil aconteceu esse domingo, dia 18, em Campo Largo no Paraná. As condições climáticas eram as piores. Chuva é ruim? É. Frio é ruim? É. Agora, frio E chuva? Terrível!

Quando cheguei em Curitiba sexta à noite já pude ter uma noção do problema que teria pela frente. Saí dos meus 25 graus no Rio para pegar 7. Saí do avião e parecia que eu tinha entrado numa geladeira. Chovia bastante e ventava também. Eu fui para o hotel e só fiquei pensando no frio que ia passar no dia seguinte para reconhecer o percurso. Essa noite dormi toda encasacada e quase não me mexi na cama para não perder calor.

No dia seguinte acordamos e continuava chovendo. Mas ali não tinha jeito porque eu precisava andar no percurso. Coloquei todos meus acessórios de frio e fui para a pista. Minha bike já estava montada com o “medusa” porque sabia que as condições não iam melhorar.

Passei embaixo do pórtico e comecei o percurso. Logo de cara já entrávamos numa trilha mas, embora estivesse com lama e bem escorregadia, ainda era pedalável. Saí numa estrada onde era possível aproveitar o ritmo e ganhar velocidade. A segunda trilha estava completamente bloqueada pela lama e já tinha me conscientizado de que faria correndo com a bike nas costas.

Entre uma trilha e outra havia uma estrada, na maioria das vezes curta, apenas para conectar um trecho no outro. Haviam trechos pedaláveis, outros não, mas ali eu sabia que além de habilidade era necessário ter sorte.

A minha intenção era de dar duas voltas mas dei uma só. A minha bike ficou totalmente coberta de lama e fiquei com medo de acabar com as pastilhas de freio. Segui pedalando para o hotel e finalizei meu treino. Eu constatei uma grande dificuldade em decorar o percurso porque ele era praticamente todo igual. Quando comentei com os outros ciclistas dessa dificuldade todo mundo confirmou. Realmente estava difícil de mentalizar aquelas trilhas porque eram todas parecidas.

No congresso técnico no sábado os organizadores decidiram encurtar a pista em uma volta. Nós, da elite feminina, ficamos com apenas três voltas.

No dia seguinte acordei cedo para tomar café com bastante antecedência. Fazia frio e, para nossa infelicidade, tinha parado de chover. Quando está chovendo o percurso fica ruim mas ainda se consegue pedalar. Quando para de chover o barro fica pesado e grudento. A prova das 8:00 da manhã então ajudou a transformar a pista num filme de terror.

Chegamos lá às 9:15 e a prova anterior ainda estava rolando. Era triste de ver os ciclistas passarem. Todo mundo estava coberto de lama dos pés à cabeça e as expressões de sofrimento traduziam a dificuldade do percurso. Houve até quem tirou as duas rodas da bike e fez a prova toda correndo com o quadro nas costas. Eu estava preparada para a guerra. Segui o conselho do amigo Paul Romero, com quem falei no sábado. “esteja preparada para sofrer”, disse ele. Eu estava.

A prova das 8:00 atrasou e nós já estávamos aquecendo há um tempão. Foi aí que todos nos reunimos e conseguimos mudar a prova mais uma vez, reduzindo o percurso em mais uma volta. O feminino então passou para duas voltas. Eu confesso se nem sabia se isso era bom ou era ruim. Eu me sentia preparada para dar duas ou três voltas, então o que viesse seria festa (acho que festa também não é muito a palavra. Talvez guerra).

Por volta das 11:15 da manhã finalmente largou a bateria da elite feminina. Logo que entramos na primeira trilha já pude ver o estrago. A primeira trilha, que era toda pedalável no dia anterior, já foi toda empurrando a bike. Estava todo mundo embolado, todo mundo querendo ultrapassar. Foi uma grande confusão. Eu fui buscando ultrapassar correndo e já pude sentir a dureza que seria. Quando a bike fica com lama ela fica muito pesada.

Fiz algumas ultrapassagens na primeira trilha, cheguei no estradão e procurei desenvolver um ritmo para conseguir vantagem. Nesse momento eu visualizava a Ju e a Luana na minha frente. Entramos juntas na trilha e consegui fazer a ultrapassagem, empurrando a bicicleta. Fui buscando ganhar posições e, quando me dei conta, estava junto com as primeiras. Havia muita lama e todo mundo sofria com o peso duplicado da bike. Cada uma usava sua estratégia para carregar, limpar ou até tentar pedalar. Estava duro para todo mundo.

Depois que eu coloquei a mão na lama pela primeira vez não consegui mais trocar marchas. O meu grip shift não permitiu. Minha bike foi ficando muito ruim, com muita lama e muito pesada.

Passei no apoio no final da primeira volta e jogaram um pouco de água e óleo na corrente. Melhorou bastante, mas logo que entrei na trilha os problemas voltaram. Nessa segunda volta ainda foi pior. Eu só tinha uma marcha.

Depois da segunda trilha a minha situação ainda piorou. A quantidade de lama na bike era tanta que a corrente já não ficava mais na coroa. Eu empurrei a volta toda, inclusive nos trechos de estradão, onde podia conseguir ganhar um tempinho.

No último trecho de estrada eu só pensava em ter que subir o gramado da chegada empurrando a bike e acabar sofrendo uma ultrapassagem. A gente fica naquele dilema de parar para tentar consertar, perder tempo, ou seguir do jeito que está. Nessa hora resolvi parar de novo e tentar mais uma vez. Tirei a lama da coroa e girei o pedal com as mãos mas a corrente caía. Tentei mais uma vez, falando, “por favoooooor” , e dessa vez deu. Subi na bike, com uma marcha só, mas pelo menos estava pedalando. Entrei na última trilha empurrando a bike mas assim que saí dela pude visualizar a chegada, então subi na bike para pedalar o trecho final de grama. Nesse momento pude comemorar. Estava finalizando o Campeonato Brasileiro em quinto lugar.

Foi uma prova muito dura e atípica mas valeu demais. Volto para casa feliz com a superação e com o TOP 5 no Brasileiro.

Anúncios

Ações

Information

4 responses

21 07 2010
hilly

Parabéns pela persistencia e superação.!

21 07 2010
manuvilaseca

Obrigada, Hilly!

24 07 2010
Leno

Oi Manuela!

Caramba! Que perrengue hein..!? Lendo o texto dá, quase, pra ouvir o barulho do barro na corrente! Aquela “inhaca” que só o Mountain Bike propociona! Realmente chuva e frio dificultam as coisas! Parabéns pelo Top 5! Torço por você! Boa sorte!

Saudações Cuiabanas!

Leno/Cuiabá/MT

27 07 2010
manuvilaseca

Obrigada, Leno

A prova foi osso! Dificuldades foram feitas p/ serem superadas, certo? Vamo q vamo!

Bjs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: